sexta-feira, 10 de junho de 2016

Fotógrafa vendia doces em faculdade de Ji-Paraná para comprar 1ª câmera

A jovem Jhenifer Catherine de Oliveira, de 23 anos, sempre sonhou em trabalhar com fotografia. Para tornar esse sonho realidade, ela produzia e vendia brigadeiros na faculdade onde estudava em Ji-Paraná (RO), juntando dinheiro para comprar sua primeira câmera fotográfica. Atualmente a jovem que também é formada em arquitetura, se mudou para a cidade de Ouro Preto do Oeste, e se mantém com a renda da fotografia.

Jhenifer sempre gostou de fotografar pessoas e paisagens, mas ainda adolescente, a fotografia era apenas um hobby, até que uma amiga pediu para que a jovem produzisse o book de 15 anos de sua filha.

"Eu estava na igreja e ela veio conversar comigo, falando que a família dela gostava das fotos que eu tirava e pediu para eu fazer o book de 15 anos da filha dela. Eu não soube o que responder. Minha mãe, que nunca tinha me apoiado na ideia de fotografar, respondeu por mim e falou que eu faria sim", conta Jhenifer, explicando como tudo começou.

Para seus primeiros trabalhos, a  fotógrafa usava uma câmera semiprofissional, mas o aumento da procura por suas fotos a fez perceber que seria hora de investir na profissão, mas o alto custo dos equipamentos a assustou.

"As pessoas começaram a me ligar pedindo para eu fazer ensaios, e vi que era a hora de comprar uma câmera melhor, mas era caro e eu não tinha dinheiro para comprar e nem meus pais tinham condição. Foi aí que tive a ideia de fazer os brigadeiros", disse a jovem.

Para conseguir pagar as parcelas de seu novo investimento, a fotógrafa começou a produzir brigadeiros para vendê-los na faculdade uma vez por semana. Jhenifer fabricava cerca de 100 doces e os vendia. Com o valor arrecado na venda de doces e o dinheiro que ganhava com seus ensaios, ela conseguiu quitar a primeira máquina fotográfica profissional que ela havia parcelado.

A jovem se manteve nessa rotina durante dois anos. Atualmente, após se formar em arquitetura, a fotógrafa decidiu se mudar para Ouro Preto do Oeste viver da fotografia.


"O que eu mais gosto na fotografia é que eu sempre conheço pessoas e histórias diferentes, e muitas vezes viro amiga dos meus clientes. A fotografia me proporcionou momentos incríveis, memórias inesquecíveis e experiências maravilhosas, inclusive pessoas que acabaram marcando muito minha vida", conta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário