sábado, 11 de junho de 2016

Estudantes e movimentos sociais protestam contra Temer em Rondônia

Estudantes e integrantes de movimentos sociais fizeram uma manifestação, no final da tarde da sexta-feira (10), em Porto Velho. A ação pacífica teve início na Praça Marechal Rondon, conhecida como Praça do Baú, região central da capital. Segundo a organização, mil pessoas participam do ato, que pede a revogação do aumento da passagem de ônibus para R$ 3 e a saída do presidente em exercício, Michel Temer.  A Polícia Militar (PM) não acompanhou o protesto.

A manifestação em Porto Velho foi realizada pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Nacional dos Estudantes (Une), PCdoB, Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), PT, Frente Brasil Popular, entre outras. De acordo com uma estudante, os manifestantes querem as saída de Michel Temer da presidência e também a revogação da passagem do ônibus. A tarifa foi reajustada de R$ 2,60 para R$ 3 na última quarta-feira (8).

"Queremos que esse governo golpista saia e também que a prefeitura volte com o valor antigo da passagem", diz Maria Rita, líder do movimento estudantil.

Durante o ato, alguns estudantes protestaram contra a cultura do estupro, referindo se ao caso da adolescente de 16 anos que foi violentada por vários homens no Rio de Janeiro. Segundo a professora de arqueologia da Universidade Federal de Rondônia (Unir), Juliana Santi, a cultura do machismo é frequente na sociedade brasileira e, devido aos recentes fatos, ela e outras mulheres decidiram protestar contra este tipo de violência.

A concentração da manifestação iniciou na Praça Marechal Rondon, mas logo depois os manifestantes se dirigiram para a Avenida Sete de Setembro, região comercial de Porto Velho. Acompanhado de um carro de som, os estudantes e movimentos sociais proferiram palavras de ordem contra o presidente em exercício, Michel Temer, e o prefeito da capital, Mauro Nazif, que na semana passada assinou decreto aumentando a tarifa do transporte público de R$ 2,60 para R$ 3.

"Nós vamos continuar com nossos atos, nossas mobilizações e uma futura ocupação na prefeitura de Porto Velho. Pra gente dizer que não aceitamos esse aumento. Nós queremos o passe livre estudantil. O prefeito precisa tomar alguma posição, pois ele não nos atende mais", diz Maria Rita, líder do movimento estudantil.


Após percorrerem a Avenida Sete de Setembro, os estudantes e movimentos sociais foram para frente da prefeitura de Porto Velho, onde encerraram o protesto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário