sábado, 11 de junho de 2016

Após homenagem, estudantes vão doar sangue para colegas feridos em acidente

O movimento de doadores de sangue foi intenso, na manhã de ontem (10), na Santa Casa de Mogi das Cruzes, Grande São Paulo, onde estão dois dos feridos no acidente que matou 18 pessoas na quarta-feira (8). Alguns eram alunos da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), instituição onde também estudam Deni Koch e Miliane dos Santos Andrade, ambos internados no hospital devido ao desastre. A procura foi tão grande que excedeu a capacidade diária da instituição de receber doações.

Louisi Soares, de 19 anos, era amiga de um dos jovens que morreu na batida e também de Deni. “Fiquei bem triste pelo Rafael [Santos do Carmo], mas pelo Deni ficamos aliviados”, disse,  sobre seus sentimentos. A jovem foi ao hospital na expectativa de doar sangue e ajudar os colegas. “Eu não sei se os meus amigos estão precisando [de sangue]. Eu soube que a namorada do Rafael está precisando, então quis ajudar”, acrescentou Louisi, que acabou não conseguindo fazer a doação.

Na noite do dia (9), alunos da universidade fizeram uma homenagem aos colegas que foram vítimas do acidente. Eles depositaram flores e velas no portão da instituição. “Foi bastante emocionante. Muita gente da sala deles e até de outros turnos. Foi triste. É uma dor que não foi com a gente, mas por estarmos próximos, compartilhamos”, contou o Jeferson Nascimento (29 anos), estudante de engenharia elétrica que foi à Santa Casa para doar sangue.

Hoje, as homenagens continuavam em frente a universidade. Tanto a  UMC, quando a Universidade Braz Cubas, em Mogi das Cruzes decretaram luto e suspenderam as aulas por dois dias.

O acidente ocorreu por volta das 22h50 do último dia 8, quando o ônibus fretado pela prefeitura de São Sebastião para o transporte de estudantes capotou no quilômetro 84 da rodovia Mogi-Bertioga, entre o município de Biritiba-Mirim e de Bertioga, no litoral Norte. O destino era a cidade de São Sebastião, no litoral paulista, para onde os passageiros voltavam, para casa, depois de uma noite de aula em universidades de Mogi das Cruzes.

Feridos

Dos 21 feridos no acidente, 12 permanecem internados em quatro hospitais. Dois em São Sebastião, quatro em Mogi das Cruzes e o mesmo número, no Hospital Santo Amaro, no Guarujá. Outros dois estudantes estão hospitalizados em Santos. Apesar da fratura no braço e das escoriações, Deni Koch passa bem. 

“Ele está como nariz meio roxo, da batida. Bastante abalado”, conta o pai, o caseiro Ademir Koch, de 53 anos. Segundo ele, o estudante, que cursa o primeiro semestre de ciências da computação, evita em falar do acidente. “ Só conversa quando perguntam”, disse. No ritmo atual, Ademir acredita que em breve o filho poderá retomar os estudos. “É recuperar o emocional, que logo tá bom. Dos ferimentos, logo ele estará recuperado”.


Ainda não há previsão de alta para Deni, que tem 17 anos, nem para Miliane Andrade, de 37 anos. Segundo o último boletim médico, ela está consciente e lúcida. Entretanto, Miliane sofreu uma fratura em uma das vértebras que inspira cuidados, apesar de não haver indícios de que o ferimento possa deixar sequelas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário