quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Suspeito de praticar estupros na PB já foi reconhecido por quatro vítimas

Quatro mulheres que foram vítimas de estupros nos últimos dois meses na cidade de Campina Grande, no Agreste da Paraíba, já reconheceram um homem de 34 anos como autor dos abusos. Ele foi preso na segunda-feira (25), no local de trabalho, depois de ser identificado pela polícia com base nos relatos das vítimas. Nesta terça-feira, a Polícia Civil apresentou o suspeito em uma coletiva e até o final da manhã ele já foi reconhecido por quatro mulheres.

A Polícia Civil acredita que o suspeito tenha violentado outras mulheres e pede que as vítimas de estupros procurem a delegacia para fazer o reconhecimento do homem. Em depoimento, o suspeito teria dito que manteve relações sexuais com cinco mulheres. “Ao ser questionado, ele disse que teria mantido relações com cinco mulheres, mas tenta alegar que não obrigava nenhuma delas e que a relação era consensual, o que não confere com o depoimento das vítimas, que relatam terem sido agredidas e ameaçadas”, contou a delegada de repressão a crime contra a infância e juventude, Alba Tânia.

Ainda de acordo com a delegada, a prisão do suspeito só foi possível porque uma das vítimas procurou a Polícia Civil para fazer a denúncia e colaborar com informações e características que tinha do suspeito. “Primeiro fomos procurados por uma adolescente de 17 anos, e depois outras duas mulheres de 22 e 28 que foram também foram vítimas reconheceram ele. Depois da coletiva desta terça-feira (26) a quarta vítima, uma jovem de 19 anos, também fez o reconhecimento”, frisou Alba Tânia.

Para que as vítimas façam o reconhecimento é preciso que elas compareçam à Central de Polícia Civil, no bairro do Catolé, em Campina Grande. “Se a vítima tiver menos de 18 anos ela deve procurar a Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Infância e Juventude. Se tive mais de 18 anos  deve procurar a Delegacia da Mulher, que também fica na Central de Polícia”, destacou a delegada. O reconhecimento é seguro e o suspeito não tem contato visual com a vítima.

O homem de 34 anos está detido na carceram da Central de Polícia Civil, mas, segundo a delegada Alba Tânia, ele deve ser transferido ainda nesta terça-feira para o presídio Raymundo Asfora (Serrotão), em Campina Grande. A Polícia Civil tem o prazo de 30 dias para concluir os inquéritos, antes de repassar os casos para o Ministério Público da Paraíba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário