terça-feira, 19 de janeiro de 2016

“Não temos do que reclamar”, diz mulher após enchente em RO

A dona de casa, Regina Célia da Câmara, ainda tenta reorganizar e limpar a casa após a residência ter ficado embaixo da água, na última sexta-feira, 15, durante a forte chuva que atingiu Ji-Paraná (RO), cidade a 377 quilômetros de Porto Velho, na região central do estado. A tromba d’água fez o Igarapé 2 de Abril  transbordar atingindo vários imóveis da região.

Regina tenta recuperar as fotografias da família e afirmou que as perdas não foram tantas.  "Perdemos nossa compra do mês. As duas geladeiras voltaram a funcionar, graças a Deus. A TV estava em cima do guarda-roupa e a água não chegou lá. Os moveis estão secando e meu colchão ainda está bem molhado por baixo. Meu esposo foi levar nosso tanquinho no conserto e a gente vai conseguir lavar as roupas que estão cheias de barro", declarou Regina.

Dona Regina mora no bairro Casa Preta, às margens da BR 364. Ela explicou que junto com o esposo chegou a levantar os moveis durante a chuva, mas a água continuou subindo e não tiveram tempo de retirar nada de dentro de casa.  O marido, Reinaldo Pereira, que não pode trabalhar por problemas de saúde, precisou se arriscar durante a inundação para salvar os eletrodomésticos.

"Colocamos a geladeira em uma mesa que estava com a perna bamba e só depois lembramos. Quando meu marido voltou aqui, teve que vir nadando para ver como estava. Encontrou a geladeira boiando na cozinha. Ele conseguiu colocá-la de novo na mesa", relembrou Célia.

O colchão do casal ainda tem barro na parte inferior e não está completamente seco, mas é nele mesmo que estão dormindo. "Vamos ter que levar para lavar. Mas não temos outro para dormir e estas duas noites, dormimos nele mesmo", declarou.

Dentre as perdas, as lembranças dos pais, já falecidos e da infância das filhas foram prioridade. Por causa da água, os álbuns de fotos da família estavam encharcados e as fotos todas borradas. Mesmo com todo cuidado, não foi possível salvá-las intactas. "São memórias das minhas pequenas, do meu pai. Mas fazer o que, não é? Estamos bem, vivos e com saúde. Não temos do que reclamar", finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário