sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

EDITORIAL: TRÂNSITO – É PRECISO PUNIR COM RIGOR

Todos os anos, aproximadamente 50 mil brasileiros perdem a vida vitimados pela violência no trânsito. Outros milhares de pessoas escapam da morte, mas levarão consigo, para o resto de suas existências, traumas físicos e psicológicos, além de dor para os parentes e amigos. O trânsito no País é um dos mais violentos do mundo e a tendência, infelizmente, é piorar, uma vez que, com a ascensão social de milhões de pessoas nas últimas três décadas, cada vez mais brasileiros estão comprando veículos – e a proliferação das motocicletas nas grandes cidades é apenas uma pequena amostra dessa realidade.
Diante desses fatos, o Senado já aprovou há algum tempo, projeto que endurece as punições para motoristas que cometerem infrações graves e gravíssimas de trânsito. Entre essas irregularidades, por exemplo, está a promoção dos imorais “rachas” – um verdadeiro crime que, na maioria das vezes, permanece impune. Dirigir com a carteira de habilitação vencida também entra nesse rol de infrações cujas punições serão endurecidas. De fato, essas leis precisavam mesmo ser atualizadas. O caso dos “rachas”, por exemplo. O indivíduo pego em fragrante cometendo esse crime era multado em meros de R$ 576. Já na nova lei, o motorista seria punido em quase R$ 2.000. O valor dobra em todos os tipos de infração em caso de reincidência.

Todavia, nenhum endurecimento da lei resolverá o problema se não for feito um investimento maciço em fiscalização de trânsito, afinal, as leis, por si só, não amedrontam ninguém. A possibilidade de realmente ser punido – tanto administrativa como penalmente – é que faz com que alguém pense duas vezes antes de arriscar a vida dos outros no trânsito. Faz-se necessário que o País se una em prol da valorização da vida no trânsito, caso contrário, os acidentes de trânsito tanto nas rodovias quanto nos perímetros urbanos das cidades brasileiras, vão continuar a existir e o que é pior, se não devidamente fiscalizados, sem punições.

Nenhum comentário:

Postar um comentário