segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Dez são presos na Operação Lei Seca no domingo, 24, em Porto Velho

Dez pessoas foram detidas por embriaguez ao volante, na madrugada de domingo (24), durante a blitz da Operação lei Seca, realizada pela Polícia Militar e Detran, em Porto Velho. A blitz foi realizada na Avenida Brasília, no bairro São Cristóvão, na Zona Oeste da capital.

Em uma das ocorrências, além de embriaguez, um jovem de 20 anos foi preso por desacato. Segundo a polícia, ele teria feito um gesto ofensivo, com o dedo médio levantado.

De acordo com boletim de ocorrência, ao cruzar com a viatura da PM, o suspeito baixou o vidro do carro que dirigia e mostrou o dedo aos policiais. Ele foi abordado e submetido ao teste do bafômetro, obtendo resultado de 0,58 miligrama de álcool por litro de ar expelido. O limite imposto por lei é de 0,34 mg/L. O rapaz tão não possuía carteira de habilitação, segundo apontou a PM.

Outras três pessoas foram detidas após envolverem-se em acidentes. Um homem de 37 anos, por exemplo, tentou frear bruscamente, antes de chegar na blitz, e acabou caindo com a moto que pilotava. Segundo a PM, ele sofreu escoriações por todo o corpo, mas não aceitou ser auxiliado por uma equipe do Serviço Móvel de Urgência (Samu). Ele estava sem habilitação e, no teste de bafômetro, apresentou resultado de 1,16 Mg/L, quase quatro vezes o limite tolerado pela Lei.

Um jovem de 19 anos também foi preso após colidir de moto contra a traseira de um carro. O acidente aconteceu na Avenida Jorge Teixeira, em frente a Policlínica Osvaldo Cruz, na Zona Norte de Porto Velho.

Segundo a polícia, o carro parou em frente a policlínica e o rapaz não conseguiu frear a tempo. Ele sofreu escoriações no queixo e no braço esquerdo.

O terceiro acidente aconteceu na Zona Leste da cidade. Na esquina da rua Benedito com Antônio Violão, no bairro JK-3, duas mulheres em uma motoneta foram atropeladas por um carro. A piloto da motoneta não possuía habilitação para dirigir e, depois de ser atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região, acabou presa e encaminhada à Central de Polícia.

Lei Seca

É considerado crime quando o motorista é flagrado conduzindo veículos com índice de álcool no sangue superior a 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido ou 6 decigramas por litro de sangue.

A pena de detenção pode variar de 6 meses a 3 anos, multa e suspensão temporária da carteira de motorista ou proibição permanente de obter a habilitação. O Código de Trânsito Brasileiro estabelece multa de R$ 1.915,40, além de 7 pontos na carteira. Os condutores também têm a CNH apreendida. Se o motorista tiver cometido a mesma infração nos 12 meses anteriores, o valor da multa é dobrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário