terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Rondônia elege atendimentos prioritários para 2016

Saúde mental, acidentes de trabalho e trabalhador rural são as três principais vertentes eleitas pelo Ministério da Saúde e adotadas pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) de Rondônia para 2016, conforme informou a enfermeira do trabalho Ana Flora Camargo Gerhardt.

Segundo ela, em Rondônia o adoecimento do trabalhador rural, por exemplo, exige um trabalho multissetorial. Assim, em parceria, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Agência de Defesa Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater), Ministério Público do Trabalho, entre outros, privilegiam a prevenção contra o adoecimento.

Ana Flora alerta que o eixo principal do Cerest é o fortalecimento da cultura da prevenção e da proteção do trabalhador. No ano passado, pela primeira vez o governo estadual lançou e vem distribuindo a Cartilha do Trabalhador, rica em explicações a respeito dos seus direitos, riscos, doenças, legislação e justiça.

Órgão vinculado à Secretaria Estadual de Saúde (Sesau),  o centro integra o Sistema Único de Saúde (SUS) na Rede Nacional Integral à Saúde do Trabalhador. Acolhe acidentados e vítimas de doenças relacionadas ao trabalho ou ocupacionais.

“Todo ano é um desafio e neste nos esforçaremos para cumprir metas estabelecidas pela Coordenação Geral em Saúde do Trabalho, do Ministério da Saúde”, comentou Ana Flora.
O Cerest iniciou os preparativos para organizar o 11º Encontro Multiprofissional com o tema Saúde mental no Trabalho, previsto para os dias 15 e 16 de junho, em Porto Velho.

Transtornos mentais com diversas causas fazem parte dos agravos ou doenças relacionadas ao trabalho e de notificação compulsória. Entre os riscos psicossociais mencionados nessa cartilha alinham-se todos aqueles relacionados ao gerenciamento do trabalho e dos contextos social e organizacional que têm o potencial de causar dano físico ou psicológico, a exemplo do assédio moral e síndrome de Burnout.

Caracterizada por alto índice de estresse, esse síndrome pode ser encontrada em qualquer profissão, entretanto, é especial nos trabalhos de impacto direto na vida de outras pessoas. Ela ocorre principalmente entre profissionais da saúde em geral, jornalistas, advogados, professores e até mesmo voluntários.

Entre 2014 e 2015, o Cerest promoveu três cursos de multiplicadores de saúde no trabalho: um em Cacoal, outros em Porto Velho. Num deles participaram agentes de Ariquemes.

Em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, o centro promoverá este ano outros cursos, considerados essenciais para a formação de 20 instrutores do curso básico de vigilância. A primeira fase será no mês de abril, em Goiânia, numa parceria com o Cerest goiano; a segunda, em Porto Velho, no mês de agosto.

Ana Flora lembrou que qualquer trabalhador formal ou informal, urbano ou rural, domésticos, autônomos, com ou sem carteira assinada, desempregados, aposentados de empresas públicas e privadas, com doenças e/ou acidentes causados pelo trabalho, podem ser atendidos no Cerest.

“Não podemos prestar atendimento de urgência e emergência, curativos, aplicação de medicamentos e tratamentos em geral, tampouco fornecer atestados admissionais, demissionais e periódicos e laudos técnicos”, alertou.

A enfermeira reiterou que todas as ocorrências de acidentes trabalho devem ser comunicadas ao INSS, a fim de garantir benefícios previdenciários à família do trabalhador, quando ele fica afastado do serviço além de 15 dias.

Dort e ler

No ano passado, em parceria com o Ministério da Saúde e Polícia Rodoviária Federal, o Cerest aproximou-se dos caminhoneiros, conscientizando-os das doenças relacionadas com o trabalho, entre as quais, lesões por esforço repetitivo (LER), distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort), surdez e transtorno mental.

Para ser atendido pelo Cerest, a procura pode se dar de forma espontânea por parte do trabalhador ou via associações, empresas públicas e privadas. A construção civil no estado é um dos setores beneficiados pelas atividades do centro.

Aos canteiros de obras, funcionários do centro levam orientações sobre o uso dos equipamentos de proteção individual e de proteção coletiva que minimizam ou eliminam a exposição do trabalhador aos fatores de risco, entre os quais, causados por agentes químicos, físicos biológicos e ergonômicos.

O Cerest funciona no 4º Andar do prédio da Policlínica Oswaldo Cruz. Telefone 0800 647 5300

Nenhum comentário:

Postar um comentário