segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Baixo nível do rio Jamari preocupa pescadores em Ariquemes

O inverno amazônico chegou, mas a previsão não é das mais animadoras para quem depende profissionalmente das águas do Rio Jamari, em Ariquemes (RO). De acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA), o nível do rio está abaixo da média histórica para o respectivo período e enfrenta uma das secas mais rigorosas dos últimos anos.

A situação apresentada tem gerado grandes preocupações nos pescadores locais, como no caso de Lauzelino Modesto, que conhece cada detalhe do rio, já que exerce a profissão há quase 30 anos.

Ele contou que o nível abaixo do normal pode prejudicar até a reprodução dos peixes, pois nesta época do ano acontece a piracema, período em que boa parte das espécies sobe o rio para se reproduzir. "Era pra ter um volume maior de água, acima dos pedaços de areias que se formam em meio ao rio e deixar caminho livre para os peixes subirem o leito", explicou.

O conhecimento popular de Lauzelino tem o respaldo científico do Serviço Geológico do Brasil, durante o ano de 2015, o Rio Jamari enfrentou uma das piores secas da história. De setembro até meados de dezembro o nível estava em zona de alerta, porém nos últimos 25 dias o nível do rio subiu e se estabilizou.

Entretanto, a previsão de chuva na região para os próximos dias é baixa, o que deve favorecer com que o nível do rio continue abaixo da média. "As chuvas para esta época do ano estão abaixo da normalidade, e esperamos que a situação se mantenha devido o fenômeno do El Niño, onde o aquecimento do oceano Pacífico causa uma influência no clima em várias regiões do país", informou o engenheiro hidrólogo do Serviço Geológico do Brasil, Hércules Pessoa.  

Com este cenário pouco animador e a influência do El Niño, a previsão é de que o Jamari não registre grandes volumes em 2016. "O nível do rio permanece de forma estável, pois não teve o aumento esperado para este período. Com isso, ele se manteve na estabilidade dos outros meses em que se apresentou a seca", declarou Hércules.

Com o rio abaixo do normal, devido a pouca quantidade de chuva, a preocupação é com a agricultura, que é influenciada diretamente por essas alterações, e com a baixa produção pesqueira. Esta última é a maior fonte de renda para as famílias ribeirinhas que vivem na região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário