terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Programa vai incentivar prática de lutas marciais no país

O ministro do Esporte, George Hilton, lançou ontem (21), o Programa Luta pela Cidadania, que visa a democratizar o acesso às lutas e artes marciais. 

Segundo Hilton, o projeto terá duração de dois anos, com núcleos de lutas e artes marciais. As atividades vão ocorrer em espaços públicos e privados. Cada núcleo irá atender cerca de 600 pessoas.  “O programa é voltado para crianças, mas atenderemos também jovens e idosos. Temos hoje uma parceria com as escolas e Forças Armadas que atendem milhares de crianças e queremos duplicar esses números. Contaremos com o apoio das federações que trabalham a inclusão social através do esporte focando nas crianças com necessidades especiais”, disse o ministro. A solenidade ocorreu no Ministério do Esporte.

O Ministério do Esporte vai disponibilizar recursos para aquisição do material esportivo e para pagamento dos professores, coordenadores e monitores, além de realizar o acompanhamento e a capacitação desses profissionais.

Para a medalhista olímpica de taekwondo, Natália Falavigna, o projeto é importante para a formação de novos atletas. “Acredito que as artes marciais tenham princípios que transcendem o tatame. As lutas passam os princípios de integridade, de respeito, disciplina, de autocontrole, de perseverança. Tudo isso faz com que a pessoa comece a viver melhor e tenha uma qualidade de vida melhor, e principalmente comece a se importar com os valores morais e éticos que vai praticar em sociedade. No entanto, acredito que mais que dar oportunidade de praticar atividade física o projeto pode mudar a mentalidade das pessoas”, disse a atleta.

O campeão de MMA, Rogério Minotouro, explicou sobre como o projeto pode auxiliar na vida das crianças, principalmente as que residem em locais mais pobres. “Hoje temos uma carência de colocar as artes marciais em alguns lugares do Brasil, muitos jovens não tem acesso à arte marcial. A luta corre lado a lado com a educação, porque o esporte forma o cidadão trazendo valores morais como disciplina, comprometimento, hierarquia, tudo que pode agregar na educação das crianças. Vejo a arte marcial como um grande meio de motivação para esse jovens que não tem oportunidade. O projeto trará confiança para esses jovens. Muitos podem não se tornar atletas profissionais, mas formará cidadãos melhores. É de grande importância para os jovens brasileiros”, disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário